Perseguição ou acompanhamento?

O objetivo deste tópico é discutir algumas manobras para interrupção de veículo em fuga, principalmente numa matéria que quase não existe nas unidade policiais do Brasil, temos exceções, que é o treinamento em direção veicular de alto risco. Os cursos que existem são particulares e estas técnicas não são assim, tão conhecidas ou reconhecidas nas instituições policiais como forma de solucionar determinados problemas.

A manobra PIT(em inglês) é um método onde um carro perseguindo outro veículo força este veículo de forma abrupta, obrigando-o a fazer uma volta em torno de seu eixo, causando no condutor perda do controle do veículo e por consequência, sua parada.

O acrônimo PIT possui uma série de significados diferentes, dependendo da instituição que a emprega ou escola que a ensina. As mais comum são: a técnica de imobilização precisa(TIP), técnica de imobilização em perseguição, técnica de intervenção em perseguição, empurrão(!!), técnica de imobilização paralela(gosto mais desta), intervenção tática de precisão. Obviamente, todas elas traduzidas do inglês.

Em cada caso, o significado é claro, não interessa o nome que a técnica recebeu. Outros nomes para a mesma técnica também existem, sob a forma de variantes, tais como: Intervenção tática em veículos(TVI – tactical vehicle intervention); Tactical ramming(parecido com “martelada em veículo), legal intervention(intervenção legal) e fishtailing(pescando pelo rabo).

Todos são considerados métodos usados  para parar veículos durante uma perseguição de forma mais segura. Outros métodos de finalizar uma perserguição incluem o uso das chamadas técnicas de parada e contenção(TPC). Em alguns países é equiparado ao uso letal da força.

A manobra PIT foi originalmente popularizada pelos idos dos anos 70, onde uma renomada escola de direção veicular, chamada BSR Incorporated(http://www.bsr-inc.com/), inseriu no seu curso avançado de direção em Summit Point, West Virgina a nova técnica, trazida da Alemanha por Tom Milner, um dos proprietários da BSR naquela época.

A técnica era utilizada pela Polícia alemã e foi traduzida de um livro alemão chamado The Hunter and the Hunted (http://www.amazon.com/Hunters-Hunted-Non-Linear-Reengineering-Leadership/dp/1563270439).

A manobra ganhou popularidade durante os anos 90 e a técnica foi refinada para reduzir a violência durante a colisão(chamada de “martelada“, chamada assim devido as variações anteriores).

As corridas de velocidade tem uma forte influência sobre esta técnica, as chamadas Bump(bater) and run(fugir), é uma antecessora da técnica.

A primeira instituição policial americana a utilizar e ensinar a manobra PIT como técnica de parada para veículos em perseguição foi o Fairfax County Police Department, do estado de Virgínia, que modificou os parâmetros para inicialização e execução de técnica utilizada então pelos policiais. Terry Pearson and Joseph McDowell forma os primeiros policiais a incorporar a ténica em treinamentos.

A manobra PIT é uma opção intermediária do uso da força para, de forma segura, finalizar uma perseguição. As viaturas possuem um párachoque reforçado para suportar a aplicação da técnica.

Procedimento

Como realizar a manobra PIT

A manobra começa com a o alinhamento paralelo da viatura com o veículo que está em fugalado a lado), onde as rodas dianteiras da viatura alinham-se com as rodas traseira do outro carro.

Alinhamento

O condutor da viatura, gentilmente(não é brincadeira!), encosta a viatura no carro em fuga, sem perder o alinhamento das rodas e continua a girar a direção para o lado em que encontra-se o alvo.

Pressão na lateral, giro do volante

Assim que o outro carro perde contato com o solo, o motorista da viatura deve realizar uma frenagem e rapidamente continuar com o giro da direção, na mesma direção do veículo perseguido,  até ficar limpo do alvo.

Perda de contato com o solo

O alvo irá girar na direção oposta em frente à viatura de forma agressiva, podendo ainda sair da pista.

Técnica completa

Tipicamente, outra viatura vai proceder na prisão do condutor daquele carro, enquanto que o policial da viatura principal recupera a direção da viatura que realizaou a manobra.

Procedimento Padrão

A manobra não é aplicável em todas as situações. Basicamente, a regra é não aplicar a manobra numa velocidade maior que 55 km/h. O uso efetivo requer escolha sistemática do local para aplicação da técnica, bem como as considerações sobre o trânsito e pedestres, devido às consequências e risco à vida para todos. Alguns departamentos limitam o uso desta técnica somente para os eventos de alto risco, outros definem que a manobra deverá ser empregada para parar veículos em perseguições que estejam em situações de perigo constante.

Quando possível, com um mínimo de três viaturas, a manobra pode ser executada: um como o executor da manobra e as outras duas viaturas, a uma distância razoável, para reagir aos resultados.

A manonbra é extremamente perigosa, quando empregada em veículos com párachoques de diferentes tamanhos ou contra veículos com um centro de gravidade alto, tais como as vans ou utilitários esportivos(SUV).

Alguns países não permitem o uso desta técnica, de forma expressiva, como a Inglaterra, já no Brasil, bem, nem que sim, nem que não. A permissão varia com o resultado ou com a causa, ou seja, depende da conveniência.

Vamos rir um pouco

Técnicas de perseguição e contenção(TPC)

Aliado à nossa dificuldade de conduzir nosso trabalho policial no Brasil, ainda temos aqueles que consideram que não devemos perseguir e sim, acompanhar veículos em fuga.

Eu acompanho a minha esposa, minha filha, família, mãe, amigos numa festa, num passeio e assim por diante. Bandidos em fuga serão perseguidos, com a devida agressividade técnica que a palavra merece, para que seja reduzida a capacidade de reação destes marginais em fuga.

TPC é um termo usado para descrever treinamento e técnicas que tem por objetivo conter veículos me fuga, utilizando bloqueior e Estrada, camas de faquir e outros métodos práticos. Atirar não é uma opção comum, principalmente quando se está na viatura que persegue outro carro.

As TPC são mais efetivas em locais separados de grandes movimento, não são aplicáveis em interseções de rodovias, vias de mão dupla ou ainda em vias de deslocamento com muitas faixas, onde uma curva em U(U-Turn), possibilitaria uma fuga cinematográfica. Veja o video, mesmo numa via estreita, o show!

Em algumas situações, conter o tráfego de veículos também é uma forma de controlar a fuga de um carro qualquer. Ao alcançar o conjunto de carros, o fugitivo é obrigado a parar ou diminuir a velocidade. O contrário também pode ser feito, para que numa zona estéril de veículos, utilize-se de técnicas mais contundentes para parar o fugitivo, como a manobra PIT.

Nosso país não estabelece regras para estes casos, ficando ainda a questão da razoabilidade para lidar com estes problemas. Tive dois amigos que perderam a vida em perseguições, um ficou limitado e não pôde continuar na atividade policial.

A ausência de carros adaptados, regras firmes e claras para este tipo de situações são ausentes, quem paga um preço caro é o cidadão, que deveria usufruir de um bom aparato policial, mas o policial também  paga, com a impossibilidade de solucionar problemas que até então, poderiam ser resolvidos, da forma mais simples, desde que as ferramentas certas estivessem ao nosso alcance.

Força e Honra!

Fontes:

http://www.supremecourtus.gov/opinions/06slipopinion.html

http://jianbolu.tripod.com/paper/DSCC2008-2183.pdf

http://www.policedriving.com/article57.htm

http://en.academic.ru/dic.nsf/enwiki/327200